Buscar
  • webrazil

Setor solar atrai público residencial e jovem no 1º semestre


O segmento fotovoltaico mostrou capacidade de enfrentar os efeitos da crise do Coronavírus com foco em marketing e equipe própria de vendas. Também alcançou, neste ano, um público mais jovem, além de atrair consumidores residenciais. É o que mostra nova pesquisa da consultoria especializada Greener, sobre o primeiro semestre deste ano.

Foram ouvidas 2104 empresas integradoras de 21 de maio a 30 de junho. Dessas, 12% começaram suas atividades em 2020 e 29% no ano passado. Uma fatia de 25% começou antes ou no ano de 2016. As instalações de Geração Distribuída feitas em 2020 já correspondem a 30,6% do total. Neste ano, o país chegou a 3 GW de energia fotovoltaica conectados à rede.

Segundo o levantamento, mesmo com os impactos cambiais da crise, a importação de equipamentos fotovoltaicos cresceu 93% neste primeiro semestre em comparação com o mesmo período do ano anterior. O volume correspondeu a 2,4 GW de capacidade.


Apesar desse aumento no semestre, houve redução em relação ao ritmo alcançado nos últimos meses do ano passado. Neste mês de agosto, o governo zerou alíquotas de importação para equipamentos fotovoltaicos, o que deve melhorar esse cenário.   Atualmente, os módulos nacionais são 4,4% do mercado - eram 3% em 2019.


Competitividade

Em relação aos preços praticados, ficaram na maioria estáveis, com pequena redução para clientes até 8KWp, estável para até 12KWp e um pouco superior a partir de 30KWp. As empresas absorveram os custos maiores com câmbio em sua própria cadeia de distribuição e integração, para manter as vendas.

Para sobreviver à crise, as empresas elencaram as principais medidas adotadas, nesta ordem:


- Aprimoramento de marketing e vendas

- Aprimoramento de equipe técnica

- Adiamento de investimentos


Novo perfil


A maioria das empresas optou por focar vendas com equipes próprias e vendas online, que chegam já a 40% do total.

Para 74% dos entrevistados, houve procura de clientes residenciais. E, 55% dos compradores têm idade inferior a 50 anos. Uma mudança de perfil, já que em 2017 essa faixa etária correspondia a apenas 22% da demanda.

Para 80% das empresas, a principal preocupação é a disponibilidade de recursos em caixa, mas por outro lado 90% estão confiantes em uma boa retomada do mercado. Entre elas, 48% buscaram financiamento para suas atividades neste período de crise.



#EnergiaSolar #Fotovoltaico #GeraçãoDistribuída #Greener #Coronavírus #Sustentabilidade #PaineisSolares #WeBrazilEnergy

146 visualizações
  • Branca ícone do YouTube
logo_we_brazil_energy (1)2.png