Buscar
  • webrazil

Pequenos negócios descobrem energia solar e turbinam setor

Os pequenos negócios no Brasil estão conscientes que a fonte energética solar é uma boa alternativa de economia e, com isso, já contribuem decisivamente para "turbinar" a expansão do setor. É o que revela pesquisa do Centro Sebrae de Sustentabilidade, feita em parceria com a Absolar  (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica) e a Fundação Seade. O aumento da concorrência entre as instaladoras completa esse cenário positivo para o acesso das microempresas, com barateamento dos equipamentos e surgimento de franquias especializadas - a We Brazil Energy, por exemplo, consolida seu projeto de franquias e espera abrir 100 lojas até o final de 2020.


Concorrência tem reduzido valor do investimento

Segundo divulgação do Sebrae, o potencial da energia solar fotovoltaica no país é enorme, pela fonte ser inesgotável, ter grande incidência em quase todos os estados e reduzir a emissão de poluentes na atmosfera. Além disso, traz economia de energia de até 95% e não necessita de muita manutenção. Praticamente todos que aderiram a essa fonte (96%) identificaram resultados positivos

do investimento, conforme o estudo divulgado no segundo semestre do ano passado.

Perfil técnico O levantamento revela que a maioria dos empreendedores em energia solar brasileiros tem formação superior em áreas técnicas e atuava como projetista quando passou a se interessar pelo segmento fotovoltaico. 


“Esse empresário percebeu uma oportunidade de negócio a partir da identificação do potencial brasileiro e do investimento de grandes empresas na transição da matriz energética. No Brasil, qualquer estado tem muita radiação solar. Até a cidade que tem menos sol, tem 40% mais que a Alemanha”, afirma a especialista em energia do Sebrae, Andrea Faria.

Esse empreendedor acredita que a qualificação técnica e a gestão de pessoas são importantes diferenciais competitivos. Além disso, tem conhecimento dos desafios em relação aos incentivos fiscais e à aquisição de financiamentos. Ele faz negócios pelo celular e considera o WhatsApp um mecanismo ágil de comunicação. Ainda de acordo com o levantamento, ele tem uma média de 45 anos de idade. Em 2019, a fonte energética solar representava 1,2% da matriz brasileira, com grande tendência de avanço. A pesquisa, com mais de 3,1 mil micro e pequenos empreendedores, mostrou que, dos donos de empresas que adotaram o sistema, 60% pretendem investir mais em energias renováveis.


Números

A energia solar ocupa hoje a 7ª posição na matriz elétrica brasileira, ultrapassando a nuclear.


Até 2030 deverá atingir 2,7 milhões de unidades consumidoras, diminuindo a geração de energia suja e reduzindo os custos.


A estimativa, no segundo semestre de 2019, era a de que até o início deste ano seriam criadas 5 mil empresas instaladoras de micro (até 75Kw) e minigeração (de 75Kw até 5Mw) de energia, abrindo de 25 a 30 novos empregos locais por Megawatt (MW) ao ano. #EnergiaSolar #PaineisFotovoltaicos #Fotovoltaico #EnergiaRenovavel #TaxarOSolNao #Sebrae #WeBrazilEnergy

95 visualizações
  • Branca ícone do YouTube
logo_we_brazil_energy (1)2.png